quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

O futebol dá adeus ao gênio. O gênio, um obrigado ao futebol!!


"É a minha primeira morte". Com esta declaração, Ronaldo "Fenômeno" se despediu do futebol. Mas, essa não foi a mais incisiva frase proferida pelo, agora, ex-jogador em entrevista coletiva concedida para anunciar o fim da carreira. Lembrando o histórico de lesões, que o atormentaram durante toda a carreira e que, talvez, antecipou o fim, Ronaldo soltou: "Perdi para o meu corpo". A frase estampou a capa da grande maioria dos jornais do Brasil e do Mundo. É a pura realidade.

Três vezes melhor jogador de futebol do mundo, maior artilheiro da história das copas, exaltado em todos os clubes por onde passou, uma das maiores sensações do mundo futebolístico, e o jogador que mais vezes morreu e ressuscitou. Mas, desta vez, Ronaldo, definitivamente, PAROU.

Uma carreira que começou no modesto São Cristóvão (RJ), passou pelo Cruzeiro e logo tomou a Europa. O velho continente se rendeu, rapidamente, ao futebol encanto do dentuço, ainda em plena forma física e na flor da idade.

Ronaldo tinha 17 anos quando representou a seleção brasileira na inesquecível Copa do Mundo de 1994. Era o jogador mais jovem a vestir a amarelinha em uma Copa. Ele começava a escrever uma história de consagração e declínio, sempre imbuído do poder da fênix.

Mesmo não se despregando do banco de reservas, exceto no momento do GOL, Ronaldo foi visto e se mudou para a Holanda. O PSV abriu a primeira porta e o fenômeno, com o seu futebol, se encarregou de abrir o resto. Vieram Barcelona, Inter de Milão, Real Madrid e Milan.

Dotado de um carisma ímpar e, quase inigualável, Ronaldo conseguiu agradar, praticamente, a gregos e troianos. Real Madri e Barcelona, Inter e Milan. Na ânsia pela rivalidade, que muitas vezes extrapolava o limite do permitido, as torcidas davam um trégua quando o assunto era Ronaldo. Todos mereciam ter um pouquinho do jogador, sem egoísmo ou sentimento de posse.

Ronaldo cresceu, venceu por três vezes a eleição de melhor jogador do mundo, e caiu algumas vezes. A maior delas, na Copa do Mundo de 2006. Visivelmente acima do peso e mostrando, descaradamente, o desinteresse e falta de paciência com a rotina de treinamento, o fenômeno começou, naquela patética eliminação para a França, o seu processo de abandono do futebol.

Depois, ele até que tentou. Esteve no Milan e chegou ao Corinthians. No primeiro momento, um reforço de peso - sem trocadilhos - ele ainda podia ser um grande jogador. Mostrou a todos os brasileiros e, sobretudo, a torcida do Corinthians, que futebol não se esquece. Foi um dos destaques do time no primeiro ano no clube. Mas, bastaram alguns jogos afastados e a eliminação precoce da libertadores para Ronaldo desistir.

Em entrevista coletiva, Ronaldo, em nenhum momento, culpou a agressividade da torcida Corinthiana como sendo o fato desencadeador da decisão de abandonar o futebol.  Mas, será que um jogador tão consagrado, realizado financeiramente e prestes a encerrar a carreira - provavelmente no final de 2011 - se arriscaria a sofrer agressões por um time, que cá para nós, não é o dele?

Enfim. Após quase 20 anos de carreira, em meio à crises e glórias, Ronaldo "Fenômeno" decretou o fim. Para honrar uma história marcada por fatos inexplicáveis, como a tal convulsão em 98, ele terminou a coletiva com uma polêmica, e revelou o que era um segredo para a esmagadora maioria do público:

"Há quatro anos fiz um exame no Milan que constatou que eu tinha hipotiroidismo. Eu precisava tomar hormônios, mas não podia porque seria pego no doping". E acrescentou. "Alguns de vocês agora devem estar arrependidos de fazer tanta chacota com meu peso, mas não guardo mágoa. Só queria explicar isso no ultimo dia da minha carreira". A explicação de Ronaldo foi contestada por todos os especialistas consultados pelos veículos de comunicação.

No último dia como jogador profissional, Ronaldo encerra a carreira e deixa mais um "asterisco" na sua história. O peso do fenômeno era mesmo resultado da doença?

Mas, se sim ou se não, não interessa. Por maiores que tenham sido os percalços e infortúnios na vida do fenômeno, nada será maior e mais importante do que aquilo que fez dentro de quatro linhas. Ali ele foi brilhante e levou o Brasil, nos pés, ao resto do mundo.

                                             Palmas para o Fenômeno!

6 comentários:

Éder Fogão disse...

com certeza o melhor jogador que EU jah vi jogar...

pena q não quis vim pro fogão
heauheuaheuahe

bjus

diego disse...

aceita parceria?
visita meu blog
http://mengaohexa.blogspot.com/

Valter Correia disse...

Boas

Comecei a construir um blog à relativamente pouco tempo. Após postar alguma informação, vou agora começar a divulga-lo.
Pretendo divulgar, por agora, através de parcerias.

A minha proposta é muito simples. Cada site apenas tem de ter o link ou banner do site afiliado


teoriadofutebol.webs.com

É benéfico para os dois, pois considero muito importante que os utilizadores sejam convidados a ver o que é nosso.

Se a proposta for aceite, vou deixar previamente outra proposta, de forma a fortalecer as relações entre os sites e aumentar a divulgação.

Abraço e obrigado pelo vosso tempo

David J. Pereira disse...

Boas!

Devo dizer que gosto imenso deste blogue!

Podem adicionar os meus aos vossos links? Eu prometo que retribuo :p

http://davidjosepereira.blogspot.com/

Saudosos cumprimentos!

secondhand bicycles in uk disse...

Bike shops in Camden
Excellent Working Dear Friend Nice Information Share all over the world..God Bless You..
Bicycle shops in north London
Cycle shops in norh London
good bike shops in london

Anônimo disse...

Venham visitar o site :
Porra Leo Burgês