sexta-feira, 1 de agosto de 2008

Que disputa

Já faz um bom tempo que não passo por aqui. Na verdade já tinha até decido que não escreveria mais, porém o gosto pela escrita falou mais alto e cá estou, mais uma vez.
E como diria o saudoso Rei Roberto Carlos. Eu voltei e agora pra ficar

O campeonato brasileiro está quase chegado a sua metade e a briga tanto na parte de cima como na parte de baixo da tabela continua emocionante.
Lá em cima o Grêmio reassumiu ontem a liderança ao vencer fora de casa o recém repatriado Coritiba, mais é seguido de perto por Cruzeiro, Vitória, Flamengo, Palmeiras e São Paulo..
Na parte de baixo da tabela o Ipatinga terá que amargar pelo menos por mais alguns dias a lanterna. Porém, se existe uma disputa acirrada para levantar a taça, a briga para permanecer na primeira divisão não está menos eletrizante.

O que mais me assombra nesse campeonato é o fato de grandes clubes, com grandes torcidas e glórias estarem passando por crises. O Fluminense parece ainda colher frutos da final da libertadores. Além de perder metade do seu elenco ainda parece abalado com a perda do título. Só que no futebol não se pode dedicar muito tempo as lamúrias. O campeonato já está quase em sua metade e junto com ele a presença constante do Flu na zona de rebaixamento.
Assim como o time das laranjeiras, o Atlético-MG, no ano do centenário, ao que tudo indica dará um presente dispensável ao seu torcedor. O rebaixamento. O time que já estava em crise viu a sua situação piorar ao tomar uma goleada história do Vasco da Gama por 6 a 1. Vasco que também não está vivendo os seus melhores dias. Após a saída de Eurico Miranda a esperança voltou ao vocabulário cruzmaltino, mais não demorou e já deixou de ser pronunciada. O time da colina passa por uma grave crise que nem mesmo a goleada de ontem foi capaz de minimizar. Outro grande clube que se encontra nessa situação é o Santos, que já chegou a habitar a zona de rebaixamento por algumas rodadas e sentiu na pele a fúria de torcedores insatisfeitos. Porém a crise no peixe parece que não irá se alongar.

O equilíbrio está sendo a marca registrada deste Campeonato que chega a sua metade sem um claro favorito ao título.